Marjorie Sá e a arte de rebozo

Rebozo

Falámos com a Marjorie sobre a técnica que dá conforto às mulheres durante a gravidez. Water Rebozo utiliza panos para envolver os corpos em terra ou na água. É uma arte ancestral que praticamos no LiquidZome, e sem dúvida que a Marjorie é a melhor pessoa para explicar exactamente o que é e que benefícios traz.

 

O que é para ti a arte de rebozo na água?

É colo. Esta prática surge nos através da inspiração da mãe que carrega seu filho, no ventre e em água, embrulhado por tecidos musculares, faciais e epidérmico, e fora do ventre, no colo, no seio, braços e universalmente tradicional, por faixas e tecidos, reproduzindo talvez e de alguma forma esta sensação de pertença, molhada e penetrante qual a água nos abraça, dentro de um invólucro de segurança, sentidos e afeto. 

 

É inspirada no rebozo em terra? Costuma ser praticada em terra e na água na mesma sessão?

Certamente inspirado no Rebozo das parteiras, mantemos este nome inclusive em sua homenagem. O Rebozo é o nome centro americano, mas há registros históricos de panos similares usados em todos os continentes para facilitar a mobilidade pélvica e corporal durante o parto, e acolher os ossos e corpos das mães e bebés após o parto. 
Não costumamos fazer ambas as dinâmicas numa mesma sessão, somente nos cursos, em caráter mais didático. Enquanto vivência creio que é bom dar ao corpo tempo para perceber e digerir a experiência em cada ambiente, terra e água, com seu devido tempo e nuances distintas.

 

Water Rebozo tem alguma semelhança com outro estilo de terapia na água, como aguahara, water dance ou liquid flow?
Water rebozo faz um complemento às outras terapêuticas. Na nossa escola Waterdoulas desenvolvemos a prática em dinâmicas coletivas, nas sessões de pares ou casais e no atendimento individual. Cada uma promove uma interação diferente. Coletivamente suportamos o corpo em flutuação, estimulando sua autonomia de movimento e relação com a água, com o rebozo servindo-o de apoio, palco, delimitação. Nas práticas de pares brincamos com as simetrias, tanto há este espaço de sustentação individual como há um espaço de abrigo e abraço, quando tratamos casais ou relativos. Nas sessões individuais já conseguimos incluir a massagem, trabalhando o corpo por partes e integralmente, na superfície e com imersões.
Diria que faz uma ponte entre as terapias aquáticas de movimento e relaxamento profundo e as práticas de renascimento, uma vez que é muito comum nosso corpo acordar as memórias uterinas neste tipo de ambiente e estímulo. O tecido torna-se uma extensão dos braços do terapeuta, um grande ventre, um colo abrangente que tanto contorna e abriga quanto permite expandir e perceber a textura e o tempo da água. 

 

O que é que as grávidas costumam relatar após estas sessões?
Para a gravidez exploramos os apoios pélvicos e lombares, o que proporciona grande conforto na flutuação, por exemplo. O relato costuma ser de relaxamento, restauração, conexão íntima com os movimentos e percepção mais acentuada do bebé.

 

Também se pratica rebozo no parto?
Sim, inclusive na banheira comum ou na piscina de parto levamos o water rebozo para apoiar. Claro que o mais importante é estimular ao longo da gestação, com esta e com outras dinâmicas corporais e subtis, como a água se pode tornar uma aliada da parturiente.  

 

E nos pós-parto?

No pós parto trazemo-o mais em forma de contenção, uma vez que corpo parto é um corpo que se expandiu ao seu limite, no pós a terapêutica é suave, movimento apoiados, envolventes, que ajudam a mãe delimitar seu novo corpo. O rebozo de forma coletiva também nos permite abrir uma grande cama que pode acolher a mãe e bebé em conjunto, ou mesmo somente ela, uma vez que estes pequenos momentos de relaxamento na água, sendo suportada e sentindo-se segura, equivale a uma noite de sono. Também fazemos a prática do fechamento dos ossos na versão aquática.

 

Em termos de benefícios para o processo de gravidez, quais são?
Como disse acima, no que se refere a preparação para o parto o mais importante talvez seja perceber como água é uma potente aliada, que inspira estados mais relaxados, fluidos, que aquece os tecidos, que permite movimento livre de gravidade, e isso tudo ajuda o trabalho de parto, enquanto recurso não farmacológico de alívio a dor. Como em trabalho de parto muitas vezes precisamos de pontos de apoio e segurança, a interface do tecido ajuda nesta situação, de contração, e acolhe o corpo no relaxamento entre as ondas.
Para a gravidez em si focamo-nos no bem estar e relaxamento, os processos terapêuticos tendem a se desenrolar naturalmente a partir daí, seja relativo ao vínculo, medos, relações, memórias, tramas, situações inusitadas. Cada uma vai onde puder, e também cada terapeuta conduz a partir do seu espectro de atuação.
Enquanto terapia aquática concentramos mais no bem estar físico, na mobilidade das articulações, no toque e alongamentos, da leveza e consciência corporal que a água proporciona. Como doula, naturalmente, vou incluir mais as questões relacionadas ao processo gravídico-puerperal dentro do nosso encontro aquático. Porém são dinâmicas distintas e estimulamos ambas enquanto formadoras, ou seja, quem trabalha na terapia aquática aprofunda-se nos temas do corpo grávido e suas necessidades especiais, quem atua com grávidas em outros contextos, incluir dinâmicas aquáticas nos seus serviços.O intuito é a mulher ou casal se sentirem nutridos, relaxados, alegres, unidos ao próprio corpo e seu bebé, creio que são estes os grandes beneficios.

 

É uma terapia aconselhada também para outras situações, que não seja gravidez? 

Com certeza. Para qualquer pessoa. A nível físico é acolhedor para quem tem restrições físicas ou medo de estar na água, dores pélvicas e lombares, traumas de nascimento, situações de luto, mudanças na vida em geral. Também trabalhamos com water rebozo em dinâmicas familiares, com bebés, crianças, idosos e com deficientes físicos e seus cuidadores.

 

Para ti, pessoalmente, o que é a água traz para o nosso corpo, a nossa mente, a nossa vida? 

A água traz vida e permite a nossa comunicação. É uma facilitadora na conexão, na clareza comigo, com as minhas águas internas e com o mundo.  Mas para mim a água não se resume a um agente pacífico, ela também traz agitação, tempestades, muita mobilização emocional.

 

Sentes que ainda há muito para explorar no mundo do Water Rebozo?

Está acontecendo. É lindo de ver. Com a Waterdoulas estamos a todo vapor, desenvolvemos esta pesquisa desde 2017 e finalmente conseguimos lançar agora os primeiros cursos presenciais e também um módulo online. Recebemos sempre um feedback muito positivo e criativo de quem se inspira na nossa prática. Além de testemunhar pelas redes e pelos relatos um interesse crescente, em diversas vertentes terapêuticas e lúdicas, pelo uso dos tecidos na água e multiplicidade de uso e reações que ele provoca. Creio que é um elemento que chegou mesmo para ficar e se tornar um acessório ou mesmo uma ferramenta importante.

Neste caminho sentimos imensa alegria pelo pioneirismo em apresentar esta prática de forma organizada, fazendo esta colagem entre o babywearing, a massagem com panos, o tecido aéreo do circense e principalmente em total reverência aquelas que mais nos inspiraram nesta exploração, as parteiras tradicionais, e por isso manter o Rebozo no nome.

Water Rebozo

Water Rebozo

Na sua essência, o rebozo é uma arte ancestral de apoio às grávidas, que consiste no envolvimento da zona abdominal e lombar em panos, processo que proporciona um enorme conforto e flexibilidade às mães em todas as fases da gravidez, parto e pós-parto. O nome tem origem na língua espanhola e deriva da palavra xaile, sendo que no México se chama rebozo aos panos longos multi-usos e multi-coloridos que fazem parte da cultura daquele país.

 

Ao longo dos anos, desde tempos longínquos, a arte do rebozo nas grávidas tem sido desenvolvida em terra, num ambiente seco. Mais recentemente, tornou-se uma técnica aplicada também em água, com inúmeras possibilidades para criar bem-estar durante a gravidez e pós-parto.

 

Para além dos momentos de relaxamento e prazer, tão importantes nesta fase da vida de uma mãe, o Water Rebozo é igualmente uma ferramenta útil na preparação para o parto, porque estimula a zona uterina. No interior da barriga, o bebé vai sentir o conforto de um suporte ergonómico e os movimentos naturais do ambiente aquático. Um casulo dentro de um casulo.

 

A arte de Water Rebozo estimula o equílibrio do corpo e a fascia, camada que se encontra entre a pele e os músculos, articulações e ossos. O pano envolve e aconchega (sem tapar o rosto e respeitando o ritmo da respiração natural), e é o elemento que reconecta a fluidez entre os líquidos que compõem o organismo e o exterior. Desenvolvida por Water Doulas, esta prática tornou-se universal e versátil. Para as grávidas, a sensação é de segurança e entrega, de abraço e embalo – o mesmo que sentiram enquanto filhas.

 

Os movimentos suaves e amparados pelo pano proporcionam alongamentos e um total relaxamento. A mente desliga-se do tempo e do espaço, entra em fusão com o tecido, como se fosse uma enorme membrana que envolve o corpo e liberta as tensões. Para algumas grávidas, este é também um momento divertido, de pura alegria e gestos intuitivos. É uma espécie de antevisão daquilo que a maternidade pode ser.

 

Apesar de ser pensado para a fase de gravidez, parto e pós-parto, o Water Rebozo já provou ser útil também como terapia para outras situações.

 

Vamos falar?

vamos falar

 

“O silêncio dentro da bolha é um dos impactos mais significativos para quem recebe uma terapia aquática, pois permite ouvir os batimentos cardíacos, combinado com o relaxamento do sistema nervoso e um convite único para habitar uma frequência cerebral específica e exclusiva, semelhante à que temos quando acordamos de um sono. Neste artigo, desejamos explorar as razões para abrir uma janela para o receptor iniciar uma conversa e permitir que nós, como facilitadores, convidemos a falar durante a sessão de hidroterapia.”

É assim que Ofer Rosenthal, criador do Fly Deeper, começa um texto em que fala sobre a possibilidade de deixar uma porta aberta à conversa. A experiência somática na água permite que “a mente e os pensamentos estejam num precioso estado de ‘férias'”, e é por isso que muitas vezes a hidroterapia é abordada como um momento de silêncio. No entanto, a comunicação verbal pode trazer benefícios. Ofer aponta quais.

“Um dos assuntos mais comuns: ao ficar muito tempo na água surge a necessidade/urgência de fazer xixi, para alguns será mais fácil evitar, para outros será difícil ficar toda a sessão sem descarregar líquidos, por várias condições físicas e emocionais, muitos delas relacionadas com a sessão, como a gravidez, por exemplo. Um simples copo de água que foi oferecido antes da sessão ou um batido que foi bebido antes de vir com o estômago leve e sem fome pode alterar as condições.”

“O desejo de fazer xixi leva a mente dos receptores para os seus corpos e necessidades, ficarão presas ao tópico de inconveniência pelo resto da sessão e, para alguns, pode provocar fortes lembranças de vergonha e culpa; desde a mais tenra idade, quando urinavam na cama ou nas calças, o que é muito comum em muitas crianças ou mesmo na idade adulta por várias razões.”

“Mesmo como facilitador, experimentei muitas vezes a necessidade de interromper a sessão para a pausa de urina. Tive o relógio diante dos meus olhos para saber quanto tempo preciso esperar e a oportunidade de ter uma pausa para cuidar de minhas necessidades. Por isso este artigo é também para lembrar este facto a nós, facilitadores.”

“Ao tocar no conceito primordial de necessidades básicas, é preciso lembrar que também o “número 2″ pode surgir enquanto todos os órgãos estão a desfrutar a ausência de gravidade, de libertação emocional e de uma massagem hidrodinâmica.”

 

Percepção da dor

“Outro motivo comum para convidar quem recebe uma sessão a se sentir mais à vontade para falar é que normalmente haverá o despertar de questões pessoais importantes e relevantes que não foram faladas durante a conversa inicial, como uma lesão no pescoço ou sensibilidade em certas partes do corpo. Este esquecimento pode ter várias razões – pode acontecer porque se demora algum tempo a ganhar confiança ou simplesmente porque as pessoas não se lembram desses tópicos, estavam bem escondidos pelo subconsciente.”

 

“Quando estamos numa sessão profunda, especial e tocante, é quase certo que algo mudará e que não estaremos mais naquele “lugar” onde estávamos. É essencial o facilitador ir tendo uma atualização, para permitir compartilhar a mesma página e principalmente para ir compreendendo. Qualquer sessão tem o potencial para curar ou negligenciar estas questões.

 

Sem medo de falar

“Para ter uma visão mais ampla de compaixão, devemos lembrar-nos que a maioria das pessoas não são meditadores de alto nível. Estar em silêncio total por 45 minutos ou mais pode ser exigente para algumas pessoas e intimidante para outras. Se sabemos que as portas para uma conversa estão abertas, tudo pode mudar suavemente e permitir que expressões autênticas e tão preciosas surjam neste encontro, a cru e sem fingimentos.”

 

“A terapia da água tem o privilégio de tocar profundamente em muitos desses tópicos primordiais, um após o outro – somos capazes de tocar na história por detrás das histórias. Uma vez que as nossas habilidades crescem para além dos movimentos e gestos básicos, vemos a imagem maior e levamos os receptores a desassociar os conceitos de “nenhum controle” ou “desamparo”. Mesmo sem saber o que vai acontecer, são convidados a expressar-se.”

 

“Uma sessão tem o potencial de invocar, despertar e desconstruir pilares fortes de autopercepção criados pela sociedade, como intimidade, tolerância, aceitação e confiança.”

Da India com…Liquid Flow Essence

Dariya Kuznik

É uma das terapias que mais se baseia nos princípios e métodos do Watsu. Foi desenvolvida por dois terapeutas do Quiet Healing Center, em Auroville, na Índia, de frente para um cenário de floresta e mar, num ambiente que junta vários tratamentos complementares e alternativos, numa espécie de work in progress comunitário de diferentes áreas. Ou seja, um pequeno paraíso de bem-estar. 

 

Origem 

Entre as atividades deste centro, existe uma secção dedicada às terapias aquáticas, com uma piscina aquecida a 35 graus onde diversos terapeutas desenvolvem as suas práticas. Dariya e Daniel são a dupla de residentes que criaram este conceito chamado Liquid Flow, uma série de movimentos e toques que resultaram num estilo muito próprio, em consonância com as bases do Watsu. No centro e também noutros locais do mundo, são várias as pessoas dedicadas às terapias aquáticas que tiveram formação específica neste estilo, e muitas estão ligadas ao Liquid Zome. Por isso, estejam atentos! 

 

A experiência

É diferente porque mistura as qualidades do Watsu, do OBA (Oceanic Bodywork Aqua), da Healing Dance e da Water Dance. A terapia começa à superfície, enquanto o corpo vai relaxando, com movimentos suaves mas contínuos, para que os músculos e as articulações recebam os efeitos da água morna. 

Antecipadamente, pode-se combinar a colocação de um clip no nariz, para que seja possível desfrutar da segunda parte desta massagem: a submersão. É neste ponto que a experiência se torna mais profunda e relaxante. A sensação assemelha-se à passagem de rio por nós, numa fluidez de água que nos conforta e alonga o corpo. 

 

Os benefícios

São imediatos, mas também se prolongam pelo tempo. As massagens na água são uma forma única de libertar tensões e descansar o corpo. São um veículo de tratamento de lesões ou dores musculares. Mas são sobretudo um momento de ganhar confiança e desfrutar uma sensação de entrega que nos leva a ultrapassar barreiras e a deixar fluir a mente. A sessão termina com um suave retorno ao mundo exterior, para que o impacto não seja repentino. Há um “acordar” que nos desperta emoções e paz interior. Esta sensação de flutuar permanece mesmo quando pomos os pés no chão, e mantém-se quando caminhamos em terra firme, depois desta experiência maravilhosa. 

 

Fascia e a experiência somática na água

Marina Sans

Esta viagem

começa com o encontro com Marina Sans, fundadora do Liquid Cosmos, um estilo muito particular, desenvolvido por esta deusa das águas, mestra de Aguahara e eterna curiosa sobre os mistérios que envolvem o nosso corpo. Um deles é a fascia, uma camada que é como uma rede, que se encontra em todas as partes do corpo (entre  a pele e os músculos, entre os ossos) e que guarda em si uma sensibilidade especifíca, objecto das investigações de Marina. Receber esta terapeuta no Liquid Zome é não só um prazer pela sua energia e companhia, como também pela sua capacidade de partilhar conhecimento, com e sem palavras, apenas observando a forma como trabalha a sua arte.

Fonte de vida

A importância da água e a enorme amplitude dos seus benefícios podem ser entendidos de tantas maneiras. No Liquid Cosmos, esse entendimento vai mais profundo. Tem uma leitura da experiência no campo fisiológico, terapêutico e artístico. É como uma dança, mas pensada para tocar nos pontos mais relevantes da fascia. Quem nos leva pelas águas e nos conduz em movimentos, tem uma consciência de toque diferente. Para isso, é preciso sentir as necessidades e estado em que se encontra a pessoa que recebe a sessão. Perceber se está muito cansada ou pelo contrário com muita energia, se tem algum problema físico que a incomode ou apenas um enorme desejo de relaxar. Lá dentro, como por magia, vamos descobrir sempre mais. E às vezes o que está a mais tem de sair cá para fora. É a tal transcedência das águas e o seu poder curativo. Pode ir sempre mais longe e surpreender.

Ouvir o corpo

Os múltiplos estados de consciência e percepção, os motores de acção e emoção, a dinâmica dos braços, pernas, tronco, cabeça, tudo isso são factores avaliados numa sessão fluída focada no elemento fascia. Daí o seu carácter somático, em que o objectivo é aliviar o corpo e a mente de tensões e mau-estar, de maleitas e perturbações, que tantas vezes se encontram escondidas. Neste tipo de investigação e exploração da educação somática, há toda uma viagem ao corpo humano, a todos os orgãos e ao universo completo que cada um de nós reúne. Quanto mais se estuda sobre a experiência somática a partir da fascia, mais caminho se abre para novos movimentos e novas sensações dentro de água.

 

Aguahara

Aguahara

Voo aquático

Explorar as nossas capacidades dentro de água é algo muito compensador. Sentir até onde vai o poder de um relaxamento profundo, de nos entregarmos aos movimentos suaves e fluídos é altamente libertador. A sensação após uma sessão é de um enorme bem-estar. Mas não é só naquele momento que sentimos essa revitalização. Os dias que se seguem são diferentes, como se aquele voo nos levitasse durante algum tempo, nos retirasse o peso, com um conforto raro. Entre todas as terapias que existem, aguahara é das que mais explora essa tranquilidade para o corpo e para a mente.

A origem

Hara é a palavra japonesa que significa o centro de tudo, o início do movimento, o foco. Aguahara é uma técnica de terapias aquáticas desenvolvida por Alex Sieberstein. Na génese desta terapia há muito silêncio e meditação, há movimento e flutuação e há uma enorme reconexão connosco e com o ambiente que nos rodeia. Baseia-se no fluir do corpo e não tanto na pressão do toque nos músculos. Deste fluir resultam várias coisas boas: relaxamento profundo, alívio de dores musculares, leveza, regenaração do sistema nervoso ou estimulação sanguínea, entre tantas outras. Pode ser aplicada em qualquer pessoa, mesmo que não saiba nadar. As sessões são adaptadas às necessidades ou disposição de cada um. É recomendada para quem precisa de se libertar rapidamente de tensões. No LiquidZome, uma das pessoas que segue esta linha de terapia é a nossa querida Rita Malddonado. Experimentem!

 

WATSU Aquatica Bodywork – terapia e reabilitação na água

Watsu Harold Dull

Quando aplicada na água, a técnica de massagens japonesas shiatsu ganhou um novo termo: watsu. O seu criador foi Harold Dull, poeta e professor de literatura norte-americano que nos anos 1980 começou por se interessar pelo zen shiatsu e depois o aplicou na água, no ambiente das termas naturais de Harbin, na Califórnia. Num dos livros que escreveu sobre o tema diz que são “poemas escritos na água”. E assim nasce o Watsu. Uma terapia aquática indicada para o relaxamento e reabilitação. 

A sensação de estar com o corpo a flutuar em água quente é já de si muito apaziguadora. Se aliarmos a isso uma série de alongamentos musculares, flexões sem esforço e torções, os benefícios serão ainda maiores. Ao desenvolver este método, tanto Harold Dull (que entretanto fundou a Worldwide Aquatic Bodywork Association – WABA) como os terapeutas que o seguiram perceberam que o watsu trazia alívio não só para as dores físicas como também para o estado mental de fadiga ou stress. Somos um todo e essa visão holística levada para o universo aquático tem inúmeras possibilidades. A sua escola de Harbin foi responsável pela formação de vários terapeutas e pela reabilitação física, neurológica e psicológica de centenas de pessoas. 

O método de watsu iniciado por Harold Dull foi desenvolvido e multiplicou-se por diferentes práticas hoje em dia existentes. São tantas que a certa altura se torna complexo diferenciá-las se não investigarmos as variações de movimentos em cada uma. No entanto, o fundamental a reter é que todas se baseiam num mesmo princípio: um corpo levado a flutuar sem esforço em água quente (idealmente a 35º, apesar de alguns preferirem águas “mais selvagens”), atinge um estado de liberdade e relaxamento incomparáveis, trazendo inúmeros benefícios a quem vive a experiência. O propósito é sempre criar bem-estar através da fluidez, do silêncio e da não-gravidade existente quando flutuamos. 

Para obter mais informações sobre esta técnica, clique aqui

Lançamento do nosso Blog

Com o blogue do Liquid Zome queremos criar uma rede mais próxima de amigos e conhecidos, de pessoas que já passaram por nós e com as quais criámos laços. Este será um espaço de partilha, não só daquilo que queremos contar mas também do que outros querem transmitir sobre este vasto e fascinante mundo da água. Vamos falar de watsu e de massagens, de terapias aquáticas e vertentes da hidroterapia, de flutuação e bem estar, do poder curativo da água e da forma como pode aliviar dores, cansaço e stress, entre outras maleitas. Vai ser um veículo dinâmico de comunicação (onde daremos notícias sobre workshops e retiros) e um convite ao diálogo. A todos os que nos rodeiam, queremos deixar esta palavra de acolhimento. Sintam-se livres para partilhar connosco as vossas experiências e ideias 🙂 

Para a comunidade

O nosso projecto cresceu e ao longo do tempo fomos criando uma rede de pessoas incríveis que colaboram a vários níveis. É assim que acontece naturalmente, quando nos rodeamos de talento e vontade de tornar o mundo um sítio melhor. Neste nosso jardim, inserido na magia de Sintra, plantamos sementes para um futuro que vai trazer mais felicidade. E quando dizemos sementes, é também no sentido literal da palavra. Junto ao espaço octogonal do Liquid Zome fizemos crescer uma zona de horta biológica que vai tornar este projecto ainda mais sustentável. A estrutura está erguida e em breve daremos novidades sobre o que ali se vai passar.

Pela nossa porta entram desde o início terapeutas que viajam pelo mundo. São eles que nos fazem ter esta sede infinita de conhecimento, de cruzar informação e partilhar experiências. Alguns ficaram por cá, o que fez com que a nossa rede fixa de colaborações se tornasse mais ampla. 

Estamos a viver o fim de uma época difícil, em que durante largos meses não recebemos terapeutas vindos de fora. Durante este tempo, isolados e em segurança, preparámos da melhor forma este nosso refúgio, de maneira a poder recebê-los novamente. Estamos prontos para acolher mais elementos da nossa comunidade.