Vamos falar?

 

“O silêncio dentro da bolha é um dos impactos mais significativos para quem recebe uma terapia aquática, pois permite ouvir os batimentos cardíacos, combinado com o relaxamento do sistema nervoso e um convite único para habitar uma frequência cerebral específica e exclusiva, semelhante à que temos quando acordamos de um sono. Neste artigo, desejamos explorar as razões para abrir uma janela para o receptor iniciar uma conversa e permitir que nós, como facilitadores, convidemos a falar durante a sessão de hidroterapia.”

É assim que Ofer Rosenthal, criador do Fly Deeper, começa um texto em que fala sobre a possibilidade de deixar uma porta aberta à conversa. A experiência somática na água permite que “a mente e os pensamentos estejam num precioso estado de ‘férias'”, e é por isso que muitas vezes a hidroterapia é abordada como um momento de silêncio. No entanto, a comunicação verbal pode trazer benefícios. Ofer aponta quais.

“Um dos assuntos mais comuns: ao ficar muito tempo na água surge a necessidade/urgência de fazer xixi, para alguns será mais fácil evitar, para outros será difícil ficar toda a sessão sem descarregar líquidos, por várias condições físicas e emocionais, muitos delas relacionadas com a sessão, como a gravidez, por exemplo. Um simples copo de água que foi oferecido antes da sessão ou um batido que foi bebido antes de vir com o estômago leve e sem fome pode alterar as condições.”

“O desejo de fazer xixi leva a mente dos receptores para os seus corpos e necessidades, ficarão presas ao tópico de inconveniência pelo resto da sessão e, para alguns, pode provocar fortes lembranças de vergonha e culpa; desde a mais tenra idade, quando urinavam na cama ou nas calças, o que é muito comum em muitas crianças ou mesmo na idade adulta por várias razões.”

“Mesmo como facilitador, experimentei muitas vezes a necessidade de interromper a sessão para a pausa de urina. Tive o relógio diante dos meus olhos para saber quanto tempo preciso esperar e a oportunidade de ter uma pausa para cuidar de minhas necessidades. Por isso este artigo é também para lembrar este facto a nós, facilitadores.”

“Ao tocar no conceito primordial de necessidades básicas, é preciso lembrar que também o “número 2″ pode surgir enquanto todos os órgãos estão a desfrutar a ausência de gravidade, de libertação emocional e de uma massagem hidrodinâmica.”

 

Percepção da dor

“Outro motivo comum para convidar quem recebe uma sessão a se sentir mais à vontade para falar é que normalmente haverá o despertar de questões pessoais importantes e relevantes que não foram faladas durante a conversa inicial, como uma lesão no pescoço ou sensibilidade em certas partes do corpo. Este esquecimento pode ter várias razões – pode acontecer porque se demora algum tempo a ganhar confiança ou simplesmente porque as pessoas não se lembram desses tópicos, estavam bem escondidos pelo subconsciente.”

 

“Quando estamos numa sessão profunda, especial e tocante, é quase certo que algo mudará e que não estaremos mais naquele “lugar” onde estávamos. É essencial o facilitador ir tendo uma atualização, para permitir compartilhar a mesma página e principalmente para ir compreendendo. Qualquer sessão tem o potencial para curar ou negligenciar estas questões.

 

Sem medo de falar

“Para ter uma visão mais ampla de compaixão, devemos lembrar-nos que a maioria das pessoas não são meditadores de alto nível. Estar em silêncio total por 45 minutos ou mais pode ser exigente para algumas pessoas e intimidante para outras. Se sabemos que as portas para uma conversa estão abertas, tudo pode mudar suavemente e permitir que expressões autênticas e tão preciosas surjam neste encontro, a cru e sem fingimentos.”

 

“A terapia da água tem o privilégio de tocar profundamente em muitos desses tópicos primordiais, um após o outro – somos capazes de tocar na história por detrás das histórias. Uma vez que as nossas habilidades crescem para além dos movimentos e gestos básicos, vemos a imagem maior e levamos os receptores a desassociar os conceitos de “nenhum controle” ou “desamparo”. Mesmo sem saber o que vai acontecer, são convidados a expressar-se.”

 

“Uma sessão tem o potencial de invocar, despertar e desconstruir pilares fortes de autopercepção criados pela sociedade, como intimidade, tolerância, aceitação e confiança.”

Leave A Comment

Artigos Relacionados

Hugo Oliveira

AQUATIC MASSAGE – Massagem de relaxamento A sua paixão por esta forma de aquatic bodywork começou quando voluntariamente, desde que conheceu esta arte, permitiu que estudantes (futuros praticantes) fizessem consigo várias demonstrações práticas na água. Muito rapidamente percebeu que mais do que estar a receber sensações novas, estava também a receber novos ensinamentos e sinais muito fortes sobre o que viria

Ler mais >>
Shira Maim Haim

Shira Maim Haim

WATER DANCE – Hidroterapeuta Nasceu e tem vivido em Israel e desde 2012 que vem fazendo o seu percurso profissional e espiritual ligada à água. As suas áreas de investigação (Hidroterapia) e relacionamento com a aprendizagem do trabalho aquático tem sido pelo Watsu, Watsu para recém-nascidos, Water Dance e Fluid Presence.  Nos últimos anos, tem estudado e realizado pesquisas com

Ler mais >>
Hugo Paulino

Hugo Paulino

SOMATIQUA – Terapia Aquática Integrativa Começou o seu percurso aquático em 2014, participando desde então em várias formações de Watsu, Water Dance, IAT (Pre Natal Journey) e em vários workshops de Watsu. Frequentou ainda formação avançada em Psicoterapia Somática e Massagem terapêutica (Shiatsu). Enquanto autodidata aprofundou práticas de libertação somato- emocional e de respiração. Todo este aprendizado serviu de base

Ler mais >>
Tiago Paraíso

Tiago Paraíso

Flydeeper – Aquatic Healing Arts As terapias com água são a sua paixão. A “estrada” da vida trouxe-o para este caminho. Depois de uma lesão grave que o deixou limitado nos movimentos das costas, apenas com as práticas das terapias aquáticas se conseguiu curar. Este processo foi tão transformador na sua vida, que desde então tem estado conectado na sua

Ler mais >>
Water Rebozo

Marjorie Sá e a arte de rebozo

Falámos com a Marjorie sobre a técnica que dá conforto às mulheres durante a gravidez. Water Rebozo utiliza panos para envolver os corpos em terra ou na água. É uma arte ancestral que praticamos no LiquidZome, e sem dúvida que a Marjorie é a melhor pessoa para explicar exactamente o que é e que benefícios traz.   O que é

Ler mais >>
Wtaer rebozo

Water Rebozo

Na sua essência, o rebozo é uma arte ancestral de apoio às grávidas, que consiste no envolvimento da zona abdominal e lombar em panos, processo que proporciona um enorme conforto e flexibilidade às mães em todas as fases da gravidez, parto e pós-parto. O nome tem origem na língua espanhola e deriva da palavra xaile, sendo que no México se

Ler mais >>