Da India com…Liquid Flow Essence

Dariya Kuznik

É uma das terapias que mais se baseia nos princípios e métodos do Watsu. Foi desenvolvida por dois terapeutas do Quiet Healing Center, em Auroville, na Índia, de frente para um cenário de floresta e mar, num ambiente que junta vários tratamentos complementares e alternativos, numa espécie de work in progress comunitário de diferentes áreas. Ou seja, um pequeno paraíso de bem-estar. 

 

Origem 

Entre as atividades deste centro, existe uma secção dedicada às terapias aquáticas, com uma piscina aquecida a 35 graus onde diversos terapeutas desenvolvem as suas práticas. Dariya e Daniel são a dupla de residentes que criaram este conceito chamado Liquid Flow, uma série de movimentos e toques que resultaram num estilo muito próprio, em consonância com as bases do Watsu. No centro e também noutros locais do mundo, são várias as pessoas dedicadas às terapias aquáticas que tiveram formação específica neste estilo, e muitas estão ligadas ao Liquid Zome. Por isso, estejam atentos! 

 

A experiência

É diferente porque mistura as qualidades do Watsu, do OBA (Oceanic Bodywork Aqua), da Healing Dance e da Water Dance. A terapia começa à superfície, enquanto o corpo vai relaxando, com movimentos suaves mas contínuos, para que os músculos e as articulações recebam os efeitos da água morna. 

Antecipadamente, pode-se combinar a colocação de um clip no nariz, para que seja possível desfrutar da segunda parte desta massagem: a submersão. É neste ponto que a experiência se torna mais profunda e relaxante. A sensação assemelha-se à passagem de rio por nós, numa fluidez de água que nos conforta e alonga o corpo. 

 

Os benefícios

São imediatos, mas também se prolongam pelo tempo. As massagens na água são uma forma única de libertar tensões e descansar o corpo. São um veículo de tratamento de lesões ou dores musculares. Mas são sobretudo um momento de ganhar confiança e desfrutar uma sensação de entrega que nos leva a ultrapassar barreiras e a deixar fluir a mente. A sessão termina com um suave retorno ao mundo exterior, para que o impacto não seja repentino. Há um “acordar” que nos desperta emoções e paz interior. Esta sensação de flutuar permanece mesmo quando pomos os pés no chão, e mantém-se quando caminhamos em terra firme, depois desta experiência maravilhosa.