WATSU – terapia e reabilitação na água

Quando aplicada na água, a técnica de massagens japonesas shiatsu ganhou um novo termo: watsu. O seu criador foi Harold Dull, poeta e professor de literatura norte-americano que nos anos 1980 começou por se interessar pelo zen shiatsu e depois o aplicou na água, no ambiente das termas naturais de Harbin, na Califórnia. Num dos livros que escreveu sobre o tema diz que são “poemas escritos na água”. E assim nasce o Watsu. Uma terapia aquática indicada para o relaxamento e reabilitação. 

A sensação de estar com o corpo a flutuar em água quente é já de si muito apaziguadora. Se aliarmos a isso uma série de alongamentos musculares, flexões sem esforço e torções, os benefícios serão ainda maiores. Ao desenvolver este método, tanto Harold Dull (que entretanto fundou a Worldwide Aquatic Bodywork Association – WABA) como os terapeutas que o seguiram perceberam que o watsu trazia alívio não só para as dores físicas como também para o estado mental de fadiga ou stress. Somos um todo e essa visão holística levada para o universo aquático tem inúmeras possibilidades. A sua escola de Harbin foi responsável pela formação de vários terapeutas e pela reabilitação física, neurológica e psicológica de centenas de pessoas. 

O método de watsu iniciado por Harold Dull foi desenvolvido e multiplicou-se por diferentes práticas hoje em dia existentes. São tantas que a certa altura se torna complexo diferenciá-las se não investigarmos as variações de movimentos em cada uma. No entanto, o fundamental a reter é que todas se baseiam num mesmo princípio: um corpo levado a flutuar sem esforço em água quente (idealmente a 35º, apesar de alguns preferirem águas “mais selvagens”), atinge um estado de liberdade e relaxamento incomparáveis, trazendo inúmeros benefícios a quem vive a experiência. O propósito é sempre criar bem-estar através da fluidez, do silêncio e da não-gravidade existente quando flutuamos. 

Para obter mais informações sobre esta técnica, clique aqui

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Leave A Comment

Artigos Relacionados

Conversas na água

Vamos falar?

  “O silêncio dentro da bolha é um dos impactos mais significativos para quem recebe uma terapia aquática, pois permite ouvir os batimentos cardíacos, combinado com o relaxamento do sistema nervoso e um convite único para habitar uma frequência cerebral específica e exclusiva, semelhante à que temos quando acordamos de um sono. Neste artigo, desejamos explorar as razões para abrir

Ler mais >>
Dariya Kuznik

Liquid Flow

É uma das terapias que mais se baseia nos princípios e métodos do Watsu. Foi desenvolvida por dois terapeutas do Quiet Healing Center, em Auroville, na Índia, de frente para um cenário de floresta e mar, num ambiente que junta vários tratamentos complementares e alternativos, numa espécie de work in progress comunitário de diferentes áreas. Ou seja, um pequeno paraíso

Ler mais >>
Marina Sans

Fascia e a experiência somática na água

Esta viagem começa com o encontro com Marina Sans, fundadora do Liquid Cosmos, um estilo muito particular, desenvolvido por esta deusa das águas, mestra de Aguahara e eterna curiosa sobre os mistérios que envolvem o nosso corpo. Um deles é a fascia, uma camada que é como uma rede, que se encontra em todas as partes do corpo (entre  a

Ler mais >>
Aguahara

Aguahara

Voo aquático Explorar as nossas capacidades dentro de água é algo muito compensador. Sentir até onde vai o poder de um relaxamento profundo, de nos entregarmos aos movimentos suaves e fluídos é altamente libertador. A sensação após uma sessão é de um enorme bem-estar. Mas não é só naquele momento que sentimos essa revitalização. Os dias que se seguem são

Ler mais >>